quarta-feira, 16 de novembro de 2016

As sementes de Portugal nas escolas do Futuro II


As Sementes de Portugal são um parceiro do Futuro - O projecto das 100.000 Árvores, da Região Metropolitana do Porto, e este ano renovámos a nossa parceria oferecendo a cada uma das cerca de 60 escolas envolvidas 3 pacotes de sementes de flora nativa. Loureiro, sabugeiro, funcho, malva-real, borragem e verbasco foram as espécies seleccionadas.

Como escrevíamos Aqui, no passado mês de Janeiro, estarmos associados ao Futuro é para nós muito mais do que um simples patrocínio ou de uma acção de responsabilidade social. É a possibilidade de nos associarmos a um projecto meritório, reconhecido nacional e internacionalmente pelo seu trabalho na recuperação dos bosques autóctones da região metropolitana do Porto. 

E que nos últimos anos, ao trabalho no terreno, tem vindo a acrescentar uma importante acção junto das escolas, criando a Rede de Escolas do Futuro  que este ano chegam às 60 Escolas. São dezenas de professores e centenas de crianças envolvidos na dinamização de actividades relacionadas com a floresta autóctone, muitas das quais com pequenos viveiros, ateliers de germinação e jardins.

É um facto que ter um projecto como o que Área Metropolitana do Porto tem, enquadrado pelo Centro Regional de Excelência da Universidade Católica do Porto, é um privilégio! mas a verdade é que por todo o país são inúmeras as escolas e professores que desenvolvem actividades similares no âmbito das mais variadas disciplinas e projectos.

Para nós essas escolas são também escolas do Futuro! E, não podendo manifestamente patrocinar todas elas, definimos condições muito vantajosas para que qualquer uma possa adquirir sementes das espécies mais emblemáticas da nossa flora silvestre! Basta entrarem em contacto connosco via email!

quarta-feira, 26 de outubro de 2016

Sementes de Portugal - 3º Aniversário!


O tempo é sempre uma medida relativa e nos dias de hoje, que se sucedem de forma cada vez mais vertiginosa, esquecemos-nos de como ele passa (mesmo) depressa! Quase sem darmos conta, passaram-se três anos desde que iniciámos formalmente o nosso projecto em Outubro de 2013.

Dizemos formalmente porque não há nada que nasça sem gestação prévia e, muito antes da nossa ideia ganhar um nome e materializar-se num propósito, foi longo o tempo em que fomos definindo os contornos do que para nós era incompreensível ainda não existir no nosso país: Um projecto exclusivamente dedicado  à valorização das sementes de flora autóctone portuguesa nas suas múltiplas vertentes e utilizações.

Uma ideia que tinha ainda por cima o peso de uma ambição: Que a fazer-se, fosse um projecto não apenas de divulgação, mas também económica e socialmente produtivo, exclusivamente sustentado pelo mercado e pelos seus clientes. Tudo baseado numa forte convicção: que a flora silvestre e autóctone, mais do que um hobby pessoal, poderia ser uma actividade viável e do interesse de um numero crescente de pessoas e empresas.

Empreender, na verdadeira acepção da palavra, não é nunca foi e nunca será fácil. Por definição, não tem caminhos previamente marcados e a simples possibilidade de se caminhar em direcção contrária faz-nos sentir o peso da gravidade de uma forma até aí desconhecida. Que se acentua ainda mais quando pressentimos que, solo firme, a existir, será sempre e nas melhor das hipóteses, uma estreita faixa de terra.

Daí que para nós este 3º aniversário se revista de uma importância e significado especiais. Não tanto pelo que fizemos ao longo destes  1100 dias - E foram bastantes as ideias a que conseguimos dar corpo!, mas sobretudo porque três anos depois continuamos com a mesma convicção de que há ainda muito espaço para a valorização da nossa flora silvestre, tal como escrevíamos AQUI  pela primeira vez.

É nesse potencial que queremos continuar a trabalhar nos próximos 3 anos, trazendo à luz do dia as infinitas possibilidades das quais temos vontade de concretizar uma parte. Com uma responsabilidade que tomamos como nossa: O de fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para que seja irrepreensível e ao nível dos melhores!

Por fim, mas não menos importante, uma referência a todos aqueles que ao longo destes 3 anos nos AJUDARAM a persistir, o nosso MUITO OBRIGADO! Sem eles, e são muitas as pessoas que nas mais diversas áreas acreditaram em nós, não teria sido possível dar um passo!

segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Feira de Jardinagem mediterrânica - São Brás de Alportel


Não há muitas feiras de jardinagem no nosso país, mas uma das melhores - senão a melhor!, vai acontecer já no próximo Sábado dia 29 de Outubro, a partir das 11h, nos jardins do Museu do Traje de São Brás de Alportel. 

À semelhança das anteriores edições, nas quais tivemos o privilégio de participar, é organizada pela Mediterranean Gardeners - Portugal e será um dia inteiramente dedicado à jardinagem em climas mediterrânicos. Além de perto de 20 viveiristas e outros expositores, haverá diversas palestras dedicadas a temas como as ervas aromáticas e medicinais do Algarve. 

Nós também la iremos estar com uma selecção das melhores espécies para semear este Outono!

Todo o programa pode ser consultado AQUI.

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Prados Floridos na Primavera de 2017


É agora, quando já não dúvidas de que estamos mesmo no Outono e as primeiras chuvas já humedeceram generosamente a terra, que chega a nossa época preferida para lançar as sementes directamente na terra. E começar a fazer os prados que queremos ver florir na Primavera de 2017. 

Daqui até meados de Dezembro, consoante as regiões do país, estão reunidas as condições perfeitas de humidade e temperatura para que a germinação ocorra ainda antes da chegada do Inverno. As diferentes espécies poderão assim enraizar o suficiente para que no início da Primavera possam concentrar-se naquilo que mais gostamos: a sua floração.

As misturas de sementes para prados floridos são para nós uma dos maiores desafios da nossa missão de promoção da utilização das flora silvestre portuguesa nos nossos jardins. Em países como Inglaterra, França ou mesmo Espanha é algo que está generalizado há décadas. Porém, em Portugal as soluções disponíveis no mercado são em regra importadas e compostas por um sem numero de espécies que nem por cá ocorrem.

E não há razão nenhuma para que assim seja. A nossa aposta é que, existindo, cada vez mais pessoas optarão por soluções de espécies autóctones nacionais que proporcionam florações alargadas, mais baixos custos de manutenção e que enriquecem o ecossistema que qualquer jardim também pode ser. 

Na nossa LOJA ONLINE disponibilizamos 6 diferentes tipos de misturas. Desde um prado florido com 24 diferentes espécies de flores até misturas de sementes essencialmente vocacionadas para atrair insectos polinizadores.

Este anos juntámos ainda uma nova composição que para nós fazia falta: um prado florido para os solos arenosos do litoral, onde em regra se opta por onerosos e monótonos relvados. São 22 espécies oriundas da nossa costa atlântica que proporcionam um jardim diferente, sem qualquer necessidade de rega, adubos, pesticidas ou corta-relvas e que trazem para dentro de casa um jardim totalmente concebido por quem melhor sabe destas coisas: A Natureza.

domingo, 16 de outubro de 2016

Catálogo Geral de Sementes de Flora autóctone - 2016-2017


Pelo quarto ano consecutivo publicamos hoje o novo catálogo Geral de Sementes de Flora Autóctone. No total são cerca de 340 as espécies da nossa flora cujas sementes podemos disponibilizar a partir de agora. 

Face ao catálogo do ano passado, retirámos cerca de 10 espécies, mas acrescentámos 44 novas espécies. Seis novas árvores, das quais destacamos o Buxo, o Sanguinho-das-ribeiras  e Mostajeiro; Dez novos arbustos, entre os quais o Ligustrum e o Cistus libanotis; Vinte e seis novas herbáceas num total de perto de 200, e duas novas espécies de Allium.

O catálogo não tem qualquer pretensão cientifica e organiza de forma simples as espécies pelos seus nomes científicos em categorias que são facilmente apreendidas pela maioria das pessoas que se interessam pela nossa flora: 

  • Árvores - 33 espécies
  • Arbustos e sub-arbustos - 61 espécies
  • Trepadeiras - 12 espécies
  • Herbáceas - 195 espécies
  • Gramíneas - 24 espécies
  • Alhos e bolbos - 16 espécies.
Sempre que possível acrescentámos ainda o nome vulgar pelo qual a espécie é conhecida. No catálogo deste ano distinguimos também as espécies que além de ornamentais são consideradas como aromáticas, medicinais ou utilizáveis na nossa alimentação. Pelas diferentes categorias podem encontrar-se cerca de 40 dessas espécies, das quais destacamos a Valeriana, a Betónica e a Malva silvestre para dar apenas alguns exemplos.

O objectivo principal deste catálogo é, mais do que qualquer expectativa comercial, o de disponibilizar a todos os que o pretendam, as sementes da nossa flora. Poderá parecer curto, mas para nós assume uma especial importância o facto de hoje ser possível  no nosso país adquirir sementes de uma ampla variedade de espécies. 

Como dizíamos há um ano atrás, bastará haver uma única pessoa interessada nas sementes de uma dada espécie recolhida para já ficarmos satisfeitos por a termos incluído!

Terminamos por fim com duas referências da maior importância. A primeira, de agradecimento a todos aqueles que nos têm ajudado a trazer á luz do dia este projecto e que das mais variadas formas ajudaram a consolidar este catálogo geral. A segunda, de apelo ao feed-back que qualquer um considere relevante enviar-nos. Todos os comentários, sugestões e criticas, são bem vindos. E essenciais para nós.

sexta-feira, 30 de setembro de 2016

As sementes de Portugal estão na Revista Jardins!


Já está nas bancas, desde quarta-feira, a edição de Outubro da Revista Jardins, este mês com um especial enfoque no tema das sementes e do Outono. Por amabilidade da sua directora Teresa Chambel, também estamos presentes neste número com um artigo dedicado às sementes  de flora autóctone e às suas potencialidades seja nas vertentes ornamental e paisagística seja nas suas potencialidades horticulturais.

Escusado será dizer que para nós é mesmo um motivo de enorme satisfação poder dar o nosso contributo para uma maior visibilidade da flora autóctone e silvestre. A revista jardins é a revista de referência do mundo da jardinagem, o que significa que, aos poucos mas de forma consistente, a valorização da flora nativa fará cada vez mais parte das opções ao dispor de um numero significativo de pessoas.

Como é evidente, é um caminho longo  o que temos pela frente. O nosso país, apesar de se considerar um jardim à beira mar plantado, não é,por várias razões, um país de jardineiros! Tem mais jardineiros do que o que se costuma pensar, mas tem aindaespaço para muitos mais! 

E nossa aposta é que terá cada vez mais jardineiros que privilegiarão a flora autóctone e silvestre. A qual não é nem tem de ser, muito pelo contrario, uma bizarria, ora rebaixada ora sacralizada, mas quase nunca conhecida e utilizada de facto. E é nessa linha que continuaremos a investir as nossas energias no que às suas sementes disser respeito!

Um parágrafo final para o número deste mês, o qual além do nosso artigo, tem também outros temas interessantes. Desses destacamos as dicas de José Pedro Fernandes sobre como recolher e conservar as sementes das suas plantas, o artigo de José Arantes sobre a planta do mês - a alcachofra comestível e os usos culinários e terapêuticos das especiarias por Fernanda Botelho. Motivos de sobra portanto para a procurar no quiosque mais perto de si! 

Um Bom Outono, boas leitura e melhores sementeiras!

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Equinócio de Outono



De acordo com o Observatório Astronómico de Lisboano hemisfério Norte, onde nos situamos, o início de Outono ocorrerá amanhã  pelas 15h21m. Significa isto, pelo menos teoricamente, que teremos amanha um dia que igualará a noite em duração, marcando-se a partir desse momento e até ao equinócio de Inverno a 21 de Dezembro dias cada vez mais pequenos. O que também significa que acordaremos no Verão e nos deitaremos no Outono!

Existem múltiplas razões para assinalar Solstício e Equinócios. Desde que o Homem se atreveu a observar estrelas (30.000, 40.000 anos!??!) que estes factos astronómicos influenciam de forma consciente e marcada as nossas vidas. Claro que poderíamos dizer que são apenas o alibi perfeito para um projecto empresarial mudar de visual aqui e na pagina do Facebook, procurando animar comercialmente a sua actividade. 

Mas não é só por esta ser de facto a melhor altura para semear que escrevemos este post. Quatro vezes por ano repomos em memória para nós mesmos que este planeta, onde aparentemente tudo é igual dia após dia, está mesmo em movimento. Aliás que tudo está em movimento. Circulamos à volta do sol a uma vertiginosa velocidade de 30 Km por segundo; O nosso sistema solar desloca-se ele mesmo sobre o Eixo da Galáxia e esta por sua vez a 500 Km/segundo.

É pois velocidade a mais para dizermos mal das nossas vidas! É que ainda assim, neste planeta e ano após ano, temos a constância dos solstícios e dos Equinócios. E a certeza de que se não for neste, haverá outros Equinócios de Outono para começar a semear e a plantar!

A todos os que nos seguem, os votos de bons recomeços e de boas sementeiras!